quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Novidades do VMware vSphere 6.0!!

                 

Na última segunda-feira (02/02/2015), a VMware anunciou oficialmente o lançamento da nova versão da sua plataforma de virtualização, o vSphere 6.0. O anúncio veio acompanhado de diversas outras novidades, como Virtual SAN 6.0, e também o lançamento do VMware Virtual Volumes (VVOLs).

O vSphere 6.0 já era aguardado desde a VMworld 2014, quando algumas das novidades da versão foram divulgadas. Quem não se lembra pode acessar o post “O que há de novo no vSphere 6.0”, que publiquei naquela ocasião.

Acredito que o intervalo entre o lançamento do vSphere 5.5 e o vSphere 6.0 tenha sido um dos mais longo desde o lançamento do vSphere 4.1, e o motivo pode ter sido as +650 novas funcionalidades do software.  Claro que não vai ter como listar aqui todas essas novidades, mas segue um resumo do que mais chamou a atenção no geral.

VMware vSphere 6.0

Escalabilidade

No que diz respeito a escalabilidade e configurações máximas suportadas, os avanços foram realmente surpreendentes, chegando a superar em até 4X a versão anterior.



Disponibilidade

Fault Tolerance (FT)

Uma das grandes mudanças do vSphere 6.0 e talvez uma das mais aguardadas, era a evolução da funcionalidade de Fault Tolerance (FT), que permite proteger uma máquina virtual de maneira extremamente simples e sem a necessidade de nenhuma alteração no S.O ou na aplicação. Desde o seu lançamento o Fault Tolerance era muito limitado, e cheio de “poréns” na sua utilização, como por exemplo a limitação de VMs com apenas 1 vCPU. Com o lançamento do vSphere 6.0 agora é possível proteger uma VM com até 4 vCPUs e até 64 GB RAM.


 Outra mudança na característica do FT é que agora uma cópia completa da VM a ser protegida é feita, incluindo os discos, resultando em uma proteção ainda maior da máquina virtual.

O FT está limitado a 8 vCPUs ou 4 VMs protegidas por host.

Virtual Machine Component Protection (VMCP)

O VMCP é uma nova funcionalidade do vSphere 6.0, adicionada ao VMware HA, que adiciona um novo nível de recuperação a falhas no ambiente virtual. Até então o VMware HA não era capaz de identificar e reagir a uma falha no acesso aos subsistemas de armazenamento. Situações conhecidas como APD (All Paths Down) e PDL (Permanent Device Loss) muitas vezes impactavam na disponibilidade das VMs e necessitavam da intervenção do administrador para recuperar o ambiente.

Com o VMCP as máquinas virtuais passam a estar protegidas também contra falhas de conectividade ou configuração no acesso aos volumes compartilhados (datastores). Ao identificar uma situação de APD ou PDL, o VMCP será capaz de identificar as máquinas virtuais impactadas e reiniciá-las em um outro host que esteja funcional.

vSphere Data Protection

A VMware resolveu “acabar” com a versão Advanced da sua solução de backup (vSphere Data Protection) e passou a oferecer todas as funcionalidades junto com VDP, que já está incluso a partir do pacote “vSphere 6 Essential Plus Kit” em diante.

Atualmente é possível ter até 8 appliances VDP por vCenter, sendo que cada appliance suporta até 8TB de dados. O VDP agora também inclui agentes que permitem backups consistentes e restores confiáveis de aplicações como Microsoft SQL Server (inclusive clusters), Microsoft Exchange (inclusive DAGs) e Microsoft Sharepoint.


VMware vSphere vMotion

As capacidades de vMotion foram bastante incrementadas nesta nova versão, e passa a permitir que os usuários façam a migração de VMs entre switches virtuais, entre vCenter Servers e entre distâncias de até 100ms RTT.

Essas novas capacidades aumentam a flexibilidade na hora de arquitetar um ambiente virtual, uma vez que não há mais barreiras limitando o seu tamanho.

Existe a possibilidade de migrar uma VM entre vCenter Servers, inclusive entre a versão Windows e a versão Linux (VCSA). Esse tipo de migração preserva os dados e também as configurações da máquina virtual, como por exemplo UUID, os eventos, alarmes, histórico de tarefas, assim como configurações de shares, limits e reservations. As configurações de HA e DRS também são mantidas (affinity e antiaffinity rules, automation level, start-up priority, e host isolation response). Apenas os dados de desempenho não são levados, uma vez que estão armazenados no banco de dados do vCenter.


Arquitetura do vCenter Server

Existe agora apenas duas maneiras de arquitetar uma instalação do vCenter Server. A primeira é chamada de “embedded”, que inclui o novo serviço PSC (Plataform Services Controller) e o vCenter Server na mesma máquina. E a segunda, “external”, que instala cada um desses serviços em um servidor diferente.

Todos os serviços do vCenter Server, que até então possuíam instaladores independentes, como por exemplo VMware vCenter Inventory Service, VMware vSphere Web Client, Auto Deploy e etc, agora são instalados juntos com o vCenter Server, simplificando a arquitetura combinando diversas funções em uma única máquina. O vSphere Update Manager ainda exige que a sua instalação seja feita em uma máquina Windows independentemente.



Plataform Services Controller

Esse novo serviço na verdade é uma controladora de vários serviços que são comumente usados pela VMware vCloud Suite, incluindo Single Sign-On, Licenciamento e Gerenciamento de Certificados. PSCs são capazes de replicar informações como licenças, roles e permissões, e tags com outras PSCs.

Como as PSCs replicam todas as informações que normalmente são necessárias para a configuração do Linked Mode, o Linked Mode agora já vem habilitado para qualquer instalação do vCenter Server (Windows, VCSA ou ambas) desde que todas façam parte do mesmo domínio do Single Sign-On. Até então não era possível configurar o VCSA para utilizar Linked Mode.


vCenter Server Appliance

Falando de VCSA... agora não há mais diferenças, pelo menos no que diz respeito a escalabilidade, entre a linux e a versão Windows. Confira abaixo uma comparação numérica entre as duas plataformas:



Aqueles que quiserem conferir outras novidades do vSphere 6.0, recomendo a leitura do documento What’s New inthe VMware vSphere 6.0 Platform.

Um comentário: