sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Transparent Page Sharing será desabilitado por padrão

                 

A VMware anunciou algumas mudanças em uma das técnicas que gerencia a sobrecarga de memória (Memory Overcommited), conhecida como TPS – Transparent Page Sharing. 

Para aqueles que quiserem saber mais sobre o gerenciamento de memória no VMware vSphere, inclusive sobre o TPS, recomendo a leitura de dois posts (parte1, parte2) que fiz há algum tempo atrás que explicam mais detalhadamente todo o processo.

Mas basicamente, o TPS é uma técnica exclusiva da VMware (nenhum outro hypervisor oferece uma funcionalidade semelhante), a qual permite que um host ESX/ESXi, quando sobrecarregado, armazene apenas uma cópia de uma determinada página de memória (4kb) caso existam outras páginas idênticas a ela. Essa única página armazenada pode ser compartilhada com outras VM`s. 

Acontece que uma recente pesquisa acadêmica mostrou que o TPS pode permitir o acesso não autorizado a determinados dados em um ambiente sob condições altamente controladas, ou seja, condições dificilmente reproduzidas em ambientes do “mundo real”. Ainda assim a VMware achou por bem tornar essa funcionalidade desabilitada por padrão, afim de manter a política de fazer das configurações padrões as mais seguras possíveis.

Essa alteração passará a valer a partir dos seguintes releases:

- ESXi 5.5 Update release - Q1 2015
- ESXi 5.1 Update release - Q4 2014
- ESXi 5.0 Update release - Q1 2015
- The next major version of ESXi

Antes dos lançamentos mencionados acima, a VMware vai disponibilizar alguns patches que não alteram as configurações existentes, mas adicionam algumas novas capacidades de gerenciamento do TPS

- ESXi 5.5 Patch 3.  For more information, see VMware ESXi 5.5, Patch ESXi550-201410401-BG: Updates esx-base (2087359)
- ESXi 5.1 patch planned for Q4, 2014
- ESXi 5.0 patch planned for Q4, 2014

Para maiores informações veja:

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

O que rolou na VMworld 2014??

                 

Na semana passada em São Francisco (EUA) aconteceu a conferência anual da VMware, a VMworld 2014. Pelos dados revelados sobre o evento, mais de 22.000 pessoas presentes, de 85 países diferentes, podemos perceber que a VMware está cada vez mais forte na indústria de TI.

O tema deste ano foi “No limits”, passando a idéia de que as mudanças são inevitáveis e de que é preciso coragem para mudar. Umas das frases citadas por Robin Matlock, Chief Marketing Officer da VMware, foi “change can be either a barrier or an opportunity” (mudanças podem ser uma barreira ou uma oportunidade),  reforçando a ideia de que devemos empurrar as barreiras e explorar as infinitas possibilidades a fim de expandir nosso conhecimento e experiência.

Neste ano a VMware reapresentou a sua estratégia para oferecer aos clientes a possibilidade de construir um Centro de Dados definido por Software (o famoso SDDC – Software Defined DataCenter), o que pôde ser percebido através dos principais anúncios feitos no primeiro dia, durante a sessão geral de abertura. Se você tiver interesse pode assistir ao vídeo completo no YouTube:



Preparei um post para cada um dos anúncios que achei mais relevante:


Se você ainda não conhece o canal da VMworld no YouTube, recomendo que dê uma olhada por lá, pois eles já publicaram vários vídeos das sessões que aconteceram este ano.

VMworld 2014 - VMware vCloud Air

                 

Há pouco mais de um ano, na VMworld 2013, a VMware havia disponibilizado para os seus clientes da América do Norte a sua plataforma de nuvem pública, no formato IAAS (Infraestrutura como Serviço), que foi batizada de vCloud Hybrid Service. Neste ano, mais especificamente no final de semana da VMworld 2014, a VMware anunciou uma alteração no nome deste serviço, assim como algumas novas ofertas que estarão disponíveis em breve.

A até então vCloud Hybrid Service passou a se chamar VMware vCloud Air.

A VMware vCloud Air é a plataforma de IAAS da VMware, baseada totalmente no VMware vSphere, e oferece aos seus clientes a possibilidade de migrar suas cargas de trabalho (VM`s, aplicações) de uma infraestrutura interna (nuvem privada) para uma infraestrutura externa (vCloud Air), ou vice-versa, de forma muito mais tranquila, pois permite usar as mesmas ferramentas que já são utilizadas normalmente.

vCloud Air

A vCloud Air está sendo oferecida em três classes de serviços diferentes:

Dedicated Cloud: classe de serviço que fornece uma nuvem privada exclusiva com servidores dedicados, tráfego de rede camada 2 isolado, volumes de armazenamento dedicados, e uma instância para gerenciamento de nuvem dedicada. A capacidade da infraestrutura pode ser alocada para um único datacenter virtual ou para múltiplos datacenters, de acordo com a vontade do cliente.

Virtual Private Cloud: classe de serviço que fornece uma nuvem privada virtual com recursos isolados logicamente em uma infraestrutura física compartilhada, configurada como um único datacenter virtual com recursos de rede.

Disaster Recovery: classe de serviço que fornece uma nuvem virtual privada, configurada como um datacenter virtual para recuperação de desastres utilizado para replicação, failover e recuperação de VM’s remotamente. Assim como na classe de serviço Virtual Private Cloud, nessa classe os recursos são isolados logicamente em uma infraestrutura física compartilhada.

vCloud Air Core Service

A seguir você confere um vídeo animado com uma visão geral da vCloud Air:

VMworld 2014 - EVO:RAIL: appliance para infraestrutura hiperconvergente

                 

Talvez o principal anúncio feito na VMworld 2014 tenha sido o lançamento da nova plataforma de infrastrutura hiperconvergente, chamada de EVO.

Para entender melhor o que é exatamente uma infraestrutura hiperconvergente, vou descrever abaixo como a forma de construir um data center mudou de alguns anos para cá:

Infraestrutura Customizada (best-of-breed) – Esta é a forma mais tradicional de se construir um data center. Geralmente as companhias escolhem os fabricantes que mais lhe agradam em cada uma das áreas (servidores, rede, armazenamento, segurança e etc...) e faz a interligação entre os seus componentes. A vantagem deste tipo de arquitetura é que as empresas não ficam amarradas a um fabricante específico. Mas por outro lado exige uma equipe mais experiente e com skill em cada uma das soluções.

Infraestrutura Convergente – Esse tipo de solução passou a ser oferecida por alguns fabricantes com a intenção de minimizar o esforço necessário para construir uma infraestrutura para um data center. Dessa forma as empresas passaram a vender uma única solução (que é o caso do Vblock - EMC) ou um tipo de referência de arquitetura (como o Flexpod - NetApp) que já integra diversas tecnologias, como servidores, rede, armazenamento e virtualização.

Infraestrutura Hiperconvergente – A última tendência na área de infraestrutura de TI é a adoção da infraestrutura hiperconvergente. Neste tipo de arquitetura os fabricantes estão oferecendo todas as soluções necessárias na construção de uma infraestrutura de TI (servidores, rede, armazenamento, virtualização) em uma única caixa – geralmente algo em torno de 2U. A diferença é que além das soluções já citadas, este tipo de infraestrutura também já inclui nessas caixas soluções de backup, deduplicação, compressão, capacidades de snapshot e etc. Alguns dos fabricantes com mais destaque nessa área são NutanixSimpliVityOmniCube.

É nessa terceira categoria que a nova família EVO se encaixa. Neste primeiro momento foi anunciado apenas o primeiro membro da familia, chamado de EVO:RAIL. Posteriormente será lançado um segundo produto, que será chamado de EVO:RACK.

O que é o EVO:RAIL?

É um appliance de infraestrutura hiperconvergente (HCIA – Hyper-Converged Infrastructure Appliance) que combina um software e um hardware com recursos de processamento, armazenamento e rede e que será oferecido pelos parceiros de hardware da VMware, que são: EMC, Dell, Fujitsu, Inspu, Net One Systems e SuperMicro.

Componentes de Hardware

Alguns boatos sugeriram que a VMware também entraria no mercado de hardware, mas isso não se confirmou. Portanto a aquisição do EVO:RAIL será feita através destes parceiros citados anteriormente, que farão a venda do appliance juntamente com o software EVO:RAIL já integrado e também fornecerá todo o suporte de hardware e software para os clientes.

Cada HCIA (appliance de infraestrutura hiperconvergente) irá possuir 4 nós de processamento [como se fossem 4 servidores de rede] com recursos de CPU & RAM, armazenamento e rede dedicados, além de duas fontes de energia redundantes.


Cada um dos nós que compõem o appliance terá a seguinte configuração:

- Dois processadores Intel E5-2620 v2 six-core CPUs;
192GB de RAM;
- Um dispositivo para boot do ESXI (32 GB SLC SATADOM  ou 146GB SAS 10K-RPM HDD);
- 3 discos SAS 10K RPM 1.2TB HDD para ser utilizado pelo datastore da Virtual SAN;
- Um disco SSD de 400GB MLC enterprise-grade para leitura/escrita de cache;
- Uma controladora de disco certificada para a Virtual SAN;
- Duas portas 10GbE (podendo ser tanto 10GBase-T como SFP+);
- Uma porta 1GbE IPMI para gerenciamento remoto (out-of-band);

Com a versão 1.0 do appliance será possível combinar até 4 appliances, totalizando 16 hosts ESXi e 1 Virtual SAN datastore, gerenciados por um único vCenter Server e uma instância do EVO:RAIL. É o EVO:RAIL que trata da instalação, configuração e gerenciamento, o que permite que a adição de capacidade computacional e expansão de um datastore Virtual SAN sejam feitos automaticamente. Novos appliances são descobertos automaticamente e a adicão destes ao cluster EVO:RAIL é feita facilmente através de poucos cliques no mouse.

Componentes de Software

O software em si (EVO:RAIL) é totalmente baseado nas tecnologias já conhecidas da VMware (VMware vSphere, vCenter Server e Virtual SAN). A grande diferença está na sua Engine, que é basicamente a interface de front-end construída sobre HTML5.


O EVO:RAIL é composto por:

- O software EVO:RAIL para Instalação, Configuração e Gerenciamento;
- VMware vSphere Enterprise Plus;
- Virtual SAN;
- vCenter Server;
- vCenter Log Insight;

O EVO:RAIL é otimizado para novos usuários VMware e também para administradores mais experientes. O fato de exigir uma experiência mínima para realizar a instalação, a configuração e o gerenciamento, permite que o EVO:RAIL seja utilizado em locais que possuem equipes de TI limitadas ou até mesmo nenhuma equipe de TI no local.

Segue abaixo um vídeo com uma breve demostração do EVO:RAIL:


Aqui você tem um link para um FAQ sobre o EVO:RAIL.