domingo, 23 de março de 2014

Configurando o Virtual SAN mesmo sem um disco SSD

                 

Com o lançamento do VSAN é natural que os interessados na tecnologia busquem uma forma de estudar e conhecer mais a fundo a solução. A idéia deste post é mostrar uma maneira de utilizar a solução em um ambiente de laboratório, onde os recursos nem sempre atendem aos requisitos que as ferramentas exigem. 

O primeiro passo para iniciar a instalação do Virtual SAN é fazer o download dos últimos instaladores do VMware Virtual Center 5.5 U1 e do ESXi 5.5 U1. 


Não vou entrar em detalhes com relação a instalação do Virtual Center e nem dos hosts ESXi.

A seguir vamos lembrar os principais requisitos para a utilização do VSAN:

- VMware Virtual Center 5.5 U1;
- Mínimo de 3 hosts ESXi 5.5 U1;
- No mínimo 1 disco SSD e 1 disco HDD (lembrando que se o ESXi estiver instalado em um disco local, este não poderá ser utilizado no cluster VSAN);
- 1 interface de rede com no mínimo 1Gb;

Talvez o maior desafio para a maioria seja ter acesso a um disco SSD no ambiente de LAB, mas existe uma forma de “mascarar” e fazer com que o seu ESXi (mesmo virtual) acredite que um determinado disco seja do tipo SSD. Aqueles que já estudaram ou estão estudando para a certificação VCAP-DCA já devem saber do que estou falando.

AVISO: ESSA CONFIGURAÇÃO NÃO DEVE SER UTILIZADA NUM AMBIENTE DE PRODUÇÃO, ALÉM DE NÃO SER SUPORTADA, TAMBÉM NÃO OFERECERÁ O DESEMPENHO ESPERADO.

Se você não tem um disco SSD para utilizar com o VSAN, veja como “mascarar" essa configuração:

Depois de instalado o ESXi e adicionado-o ao Virtual Center, identifique as configurações de disco do seu servidor. No seu WebClient, selecione o seu host ESXi e clique em Manage -> Storage -> Storage Devices:


Veja no exemplo acima que o host esxi01.lab.local possui 1 CDROM, 3 discos locais e 1 disco iSCSI. Para nós o CDROM e o disco iSCSI são indiferentes pois como já sabemos o Virtual SAN trabalha com os discos locais. Neste caso vamos ignorar também o disco mpx.vmhba1:C0:T0:L0 pois ele é o disco no qual a instalação do ESXi foi feita. Portanto nos resta os discos mpx.vmhba1:C0:T1:L0 (10GB) e mpx.vmhba1:C0:T2:L0 (30GB). Repare que ambos estão aparecendo como Non-SSD. Para configurarmos o VSAN vamos precisar que pelo menos um deles seja reconhecido como SSD. Faremos isso com o disco mpx.vmhba1:C0:T1:L0.

O próximo passo será acessar o host via SSH para descobrir qual o SATP (Storage Array Type Plugin) o disco está utilizando: esxcli storage nmp device list -d [device]



Neste caso o disco mpx.vmhba1:C0:T1:L0 está utilizando o SATP VMW_SATP_LOCAL. (Esta informação será útil no próximo passo).

Com estas informações em mãos poderemos criar uma regra no ESXi para que ele reconheça este dispositivo como sendo do tipo SSD. 

esxcli storage nmp satp rule add -s [SATP] -d [device] -o enable_ssd
esxcli storage core claimrule load
esxcli storage core claimrule run
esxcli storage core claiming reclaim -d [device]


Veja abaixo que agora o disco mpx.vmhba1:C0:T1:L0 aparece como SSD. 



Execute este procedimento em todos seus hosts que irão fazer parte do cluster VSAN.

LEMBRANDO QUE ESTE PROCEDIMENTO DEVE SER EVITADO EM UM AMBIENTE DE PRODUÇÃO

Em seguida deveremos configurar uma interface VMkernel em cada um dos hosts.

1)

2)

3)

4)

5)

6)

Por último, vamos habilitar o Virtual SAN:.



É possível configurar o Virtual SAN no momento da criação do cluster e também em um cluster já existente. Porém antes de configurar num cluster que tenha o VMware HA habilitado, será necessário desabilita-lo antes, caso contrário receberá uma mensagem de erro como a que segue: 

“Turn off vSphere HA to turn on/off Virtual SAN”


Depois que o Virtual SAN for habilitado, você poderá ver a quantidade de hosts existentes no cluster, a quantidade de discos SSD e discos de dados e as informações sobre a capacidade total e a quantidade de espaço livre do VSAN datastore.


Se verificarmos os datastores do cluster, veremos que um novo datastore foi criado. Por padrão o nome deste datastore será “vsanDatastore”, mas nada te impede de alterar este nome.

Repare que o tipo do datastore também aparece como VSAN e não como VMFS5.

domingo, 9 de março de 2014

Introdução ao VMware Virtual SAN (VSAN)

                 

Na última quinta-feira (dia 06/03/2014) foi anunciado de forma oficial o lançamento do novo produto da VMware chamado Virtual SAN, que também é conhecido como VSAN. O produto já estava disponível para o público em uma versão BETA desde setembro de 2013, e de acordo com a VMware nunca um programa BETA da empresa causou tanto alvoroço na indústria como o VSAN, foram mais de 12.000 inscritos no programa.

Foi anunciado que o VSAN estaria disponível a partir desta semana (iniciada em 10/03/2014), assim como as informações referentes ao formato do licenciamento e ao preço da solução, que apesar de estar embutida no kernel do ESXi, será vendida como uma solução independente.

Confira abaixo as novidades e alguns números que foram apresentados:

- Só funcionará com a versão vSphere 5.5 Update 1 (provavelmente será lançada juntamente com o VSAN);
- Não é possível fazer um upgrade da versão beta para a versão final;
- Suporta no mínimo 3 hosts ESXi num cluster;
- Suporta no máximo 32 hosts ESXi num cluster;
- Exige no mínimo 1 disco magnético (HDD) e 1 disco SSD;
- Suporta no máximo 35 discos magnéticos (HDD), sendo que para cada 7 é necessário pelo menos 1 disco SSD;
- A replicação dos dados é síncrona;
- Ainda não há suporte a deduplicação;

Mas afinal de contas, o que é o VSAN?

O VSAN é a peça que estava faltando na engrenagem da VMware para a construção do famoso centro de dados definido por software, do inglês SDDC - Software Defined DataCenter. O VSAN é uma solução de armazenamento definida por software que está nativamente embutida no hypervisor, ou seja, no kernel do ESXi. E é exatamente isso que diferencia o VSAN das demais soluções de armazenamento virtual, as famosas VSA (Virtual Storage Appliance). O VSAN não é um appliance virtual, e não precisa de nenhuma máquina virtual para gerencia-lo. Todo o gerenciamento é realizado pela própria interface de gerenciamento WEB do Virtual Center (WEB Client).

O VSAN se propõe a utilizar os discos locais de um host ESXi (discos SSD e HDD), agrupando os discos locais de todos os hosts ESXi de um cluster (ou dos hosts que você escolher) em um único datastore compartilhado por todos estes hosts. É obrigatório que cada host tenha pelo menos um disco SSD e um disco HDD para fazer parte do cluster VSAN. 

Todo os desempenho do VSAN depende dos discos SSD, pois toda operação de escrita em disco vai primeiro para os dispositivos SSD, para em seguida serem movidos para os discos magnéticos (HDD). 

O Virtual SAN permite que você trabalhe com políticas de armazenamento por máquinas virtuais, ou seja, com base nas necessidades de cada VM você pode definir políticas do tipo “esta VM precisa estar sempre em discos de alto desempenho e que possua no mínimo duas cópias dos seus dados”. 

Um dos diferenciais do VSAN é justamente a possibilidade de escolher a quantidade de cópias dos dados de uma VM você vai querer. Essa característica permite que mesmo que o host no qual os dados de uma determinada VM estejam venha a falhar, esta VM poderá ser restaurada (através do HA) em um outro host do cluster. 


A replicação acontece através de uma interface de rede VMkernel, podendo ser de 1Gb ou 10Gb, e pode ser utilizada num switch standard ou num switch distribuído.

Existem duas formas de adquirir um host ESXi que suporte o VSAN:

- Escolhendo um dos servidores “pré-configurados” para suportar o VSAN (de acordo com a VMware junto com o lançamento do VSAN também serão lançadas 13 opções de servidores, de diferentes fabricantes, prontos para serem utilizados com o Virtual SAN);

- Escolher individualmente cada um dos componentes que serão utilizados no servidor, como por exemplo os discos SSD e as controladoras RAID. 


Aos que tiverem interesse em conhecer mais sobre a solução, recomendo a leitura dos documentos oficiais publicados pela VMware recentemente:


E também a série de artigos publicados pelo Cormac Hogan (um dos arquitetos de soluções de armazenamento da VMware), são mais de 17 posts só sobre VSAN. Vale muito a pena dar uma olhada: http://cormachogan.com/vsan/

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Virtualizando o Active Directory com o VMware vSphere

                 

A VMware acabou de lançar um novo documento intitulado: “Virtualizing Active Directory Domain Services on VMware vSphere”. O documento possui 62 páginas e fornece orientações baseadas nas melhores práticas para a implantação do AD no vSphere.

O Active Directory é o serviço de diretório e autenticação utilizado na grande maioria das infraestruturas de rede, e em muitas dessas é tratado como um serviço de extrema importância. Exatamente por isso, muitas organizações preferem virtualizar uma parte do ambiente do AD e manter uma parte num hardware físico. Geralmente o motivo para essa escolha é a falta de confiança ou a falta de experiência em virtualização.

Com o lançamento do Windows Server 2012, algumas funcionalidades como ‘Snapshot’ e ‘Clone’ de um controlador de domínio virtual se tornaram possíveis, de forma segura e suportada. Seguindo as melhores práticas apresentadas é completamente possível manter um ambiente de Active Directory 100% virtualizado.

Clique na imagem abaixo para acessar o PDF.

Virtualizing-Active-Directory-Domain-Services-on-VMware-vSphere

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Atualização da certificação VCP5-DCV para o vSphere 5.5

                 

A VMware lançou um novo exame de certificação para aqueles interessados em adquirir a certificação VCP5-DCV. O novo exame possui o código de VCP550, e inclui um conteúdo baseado na nova versão da plataforma de virtualização da VMware, o vSphere 5.5.

Dentre os novos tópicos abordados no exame estão:

Single-Sign On
Web Client
Data Protection
vCenter Operations
vSphere Replication
vFlash

O novo exame segue o mesmo formato que já vem sendo adotado nos exames VCP-Desktop e VCP-Cloud, ou seja, é composto de 135 questões que devem ser respondidas em até 120 minutos, o exame VCP-510 tem 85 questões e pode ser feito em 90 minutos.

Os candidatos poderão, por enquanto, optar entre os exames VCP-510 ou VCP-550, ambos credenciarão os aprovados a adquirirem a certificação VCP5-DCV.

O requisito do treinamento continua valendo para o novo exame. Os seguintes cursos são válidos para qualquer um dos exames: 

VMware vSphere: Fast Track [V5.0]
VMware vSphere: Install, Configure, Manage [5.0]
VMware vSphere: Fast Track [V5.1]
VMware vSphere: Install, Configure, Manage [5.1]
VMware vSphere: Install, Configure, Manage [5.5]

Aos que já possuem a certificação VCP5-DCV não há a necessidade de fazer o novo exame, uma vez que não se trata de uma nova certificação, ao menos que queiram provar que possuem o conhecimento das novas funcionalidade do vSphere 5.5.


Para mais informações clique aqui.